Doenças do aparelho digestivo

Hemorragia no Trato Digestivo

O sangramento no trato digestivo é um sinal de uma doença, ao invés de uma doença em si. Uma série de condições diferentes pode causar sangramento. A maioria das causas de hemorragia estão relacionadas a condições que podem ser curadas ou controladas, tais como úlceras ou hemorróidas. Algumas podem trazer risco à vida.

Localizar a fonte do sangramento é importante. Diferentes condições causam hemorragia no trato digestivo superior (esôfago, estômago e porção superior do intestino delgado, também chamado do duodeno) e inferior (parte inferior do intestino delgado; intestino grosso, que inclui o cólon, reto e ânus) do aparelho digestivo.

Quais são os sinais de hemorragia no trato digestivo?
 

Os sinais de sangramento no trato digestivo dependem do local e da gravidade da hemorragia.

Os sinais de sangramento no trato digestivo superior são:

  • sangue vermelho brilhante no vômito
  • vômito parecido com borra de café
  • fezes pretas ou como piche
  • sangue escuro misturado com as fezes
  • fezes revestidas ou misturadas com sangue vermelho brilhante

Sinais de sangramento no trato digestivo inferior incluem:

  • sangue vermelho brilhante no vômito
  • vômito parecido com borra de café
  • fezes pretas ou como piche
  • sangue escuro misturado com as fezes
  • fezes revestidas ou misturadas com sangue vermelho brilhante


A hemorragia grave e repentina é chamada hemorragia aguda. Se a hemorragia aguda ocorre, os sintomas podem ser:

  • fraqueza
  • tontura ou desmaio
  • falta de ar
  • dor abdominal em cólicas
  • diarréia
  • palidez


Uma pessoa com hemorragia aguda pode entrar em choque e apresentar pulso rápido, queda na pressão arterial e dificuldade para produzir urina.

O sangramento leve, que continua por muito tempo ou começa e para, é chamado hemorragia crônica. Se a hemorragia é crônica, a pessoa pode notar que a fadiga, letargia e falta de ar se desenvolvem ao longo do tempo. Perda de sangue crônica também pode levar a anemia, uma condição na qual a substância do sangue rico em ferro, hemoglobina, está diminuída.

A pessoa pode não notar uma quantidade pequena de sangramento no trato digestivo. Esse tipo de hemorragia é chamada de sangramento oculto. Testes simples podem detectar sangue oculto nas fezes.

O que causa hemorragia no trato digestivo?
 

 

Uma variedade de condições pode causar sangramento do trato digestivo. As causas de hemorragia no trato digestivo superior são as seguintes:
 

  • Úlceras pépticas: A infecção pelo Helicobacter pylori (H. pylori) e o uso prolongado de antiinflamatórios não-esteróides (AINEs), como a aspirina e ibuprofeno, são causas comuns de úlceras pépticas.

     
  •  Varizes esofágicas: Varizes (veias alargadas) localizadas na extremidade inferior do esôfago podem romper e sangrar maciçamente. A cirrose é a causa mais comum de varizes esofágicas.

     
  • Síndrome de Mallory-Weiss: É uma laceração no revestimento do esôfago geralmente em consequência de vômitos. O aumento da pressão no abdômen ao tossir, hérnia de hiato, ou o parto também podem causar as lacerações.

     
  • Gastrite: Os antiinflamatórios não-esteróides e outras drogas, infecções, doença de Crohn, outras doenças e lesões podem causar gastrite – úlceras e inflamação no revestimento do estômago.

     
  • Esofagite: A doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) é a causa mais comum de esofagite — inflamação e úlceras no revestimento do esôfago. Na DRGE o músculo entre o esôfago e estômago não fecha corretamente, permitindo que a comida e o suco gástrico voltem para o esôfago.

     
  • Tumores benignos cancer: Tumor benigno é o crescimento anormal de tecido que não é cancerígeno. Tumores benignos e câncer no esôfago, estômago ou duodeno, podem causar sangramento.
     

As causas de hemorragia no trato digestivo inferior são:

  • Doença diverticular: Esta doença é causada por divertículos - bolsas na parede do cólon.
     
  • Colite: Infecções, doenças como a doença de Crohn, falta de fluxo sanguíneo no cólon e radiação podem causar colite – inflamação do cólon.
     
  • Hemorróidas ou fissuras: Hemorróidas são veias alargadas no ânus ou reto que pode romper e sangrar. Fissuras ou úlceras, são cortes ou rasgões na região anal.
     
  • Angiodisplasia: O envelhecimento causa angiodisplasia - anormalidades nos vasos sanguíneos do intestino.
     
  • Pólipos ou câncer: Os crescimentos benignos ou pólipos do cólon são comuns e podem levar ao câncer. O câncer colorretal é um tipo muito comum de câncer e muitas vezes provoca hemorragia oculta.
     

Como é diagnosticado a hemorragia no trato digestivo?
 

O primeiro passo no diagnóstico de sangramento no trato digestivo é localizar o local do sangramento. O médico tomará o histórico completo do paciente e realizará o exame físico. Sintomas como alterações no hábito intestinal, fezes negras ou vermelhas e dor ou sensibilidade no abdômen podem dizer ao médico qual a área do tubo digestivo está sangrando.

O médico pode precisar examinar as fezes à procura de sangue. Suplementos de ferro, subsalicilato de bismuto e certos alimentos como a beterraba podem dar às fezes a mesma aparência que o sangramento do aparelho digestivo. Um exame de fezes também pode mostrar o sangramento que não é visível para o paciente.
Um exame de sangue pode ajudar a determinar a extensão da hemorragia e se o paciente está anêmico.

A lavagem com sonda nasogástrica é um procedimento que pode ser usado para determinar se o sangramento é no trato digestivo superior ou inferior. Com a lavagem nasogástrica, um tubo é inserido através do nariz até o estômago. O conteúdo do estômago é removido através da sonda. Se o estômago contém bile e não contém sangue, o sangramento ou parou ou é sua origem provável é o trato digestivo inferior.

Endoscopia


A endoscopia é o método mais comum para encontrar a fonte do sangramento do trato digestivo. O endoscópio é um tubo flexível com uma pequena câmera na ponta. O médico insere o endoscópio através da boca do paciente para visualizar o esôfago, estômago e duodeno.

Este exame é chamado esofagogastroduodenoscopia (EGD). Um endoscópio também pode ser introduzido através do reto para visualizar o cólon. Este procedimento é chamado colonoscopia. O médico pode usar o endoscópio para fazer uma biópsia, ou seja, a coleta de pequenas amostras de tecido para exame com um microscópio.

O sangramento que não pode ser encontrado com endoscopia é chamado sangramento obscuro. O médico pode repetir a endoscopia ou usar outros procedimentos para descobrir a sua causa.,

Enteroscopia

A enteroscopia é o exame do intestino delgado. Uma vez que os endoscópios tradicionais não podem alcançar o intestino delgado, modelos especiais de endoscópios são utilizados para a enteroscopia.

Os procedimentos de enteroscopia são:

  • Push enteroscopia. Um endoscópio longo é usado para examinar a porção superior do intestino delgado.
  • Enteroscopia com duplo balão. Balões são montados sobre o endoscópio para ajuda-lo a mover-se através de todo intestino delgado.
  • Cápsula endoscópica. A pessoa engole uma cápsula contendo uma pequena câmera. A câmera transmite imagens para um monitor de vídeo, quando a cápsula está passando através do trato digestivo.
    Este procedimento destina-se a examinar o intestino delgado, mas também permite ao médico examinar o resto do trato digestivo.

     

Outros Procedimentos

Vários outros métodos podem ajudar a localizar a fonte do sangramento:

  • Radiografias contrastadas com bário: O bário é um material de contraste que faz com que o sistema digestivo seja visível aos raios-x. O líquido contendo bário é engolido ou inserido no reto. As radiografias baritadas são menos precisas que a endoscopia e pode interferir com outras técnicas de diagnóstico.
     
  • Cintilografia: O médico injeta pequenas quantidades de material radioativo na veia da pessoa. Uma câmera especial, semelhante a uma máquina de raios-x, pode detectar essa radiação e criar imagens do fluxo de sangue no trato digestivo. A varredura de radionuclídeos é suficientemente sensível para detectar sangramento muito lento, mas não é tão preciso quanto outros procedimentos.
     
  • Angiografia: Um contraste é injetado na veia da pessoa, para tornar os vasos sanguíneos visíveis aos raios-x ou tomografia computadorizada (TC). O contraste extravasa dos vasos sanguíneos no local do sangramento. Em alguns casos, o médico pode usar a angiografia para injetar o medicamento ou outro material nos vasos sanguíneos para tentar parar o sangramento.
     
  • Laparotomia Exploradora: Se outros métodos não conseguiram localizar a fonte do sangramento, um procedimento cirúrgico pode ser necessário para examinar o trato digestivo.


Como é tratado a hemorragia no trato digestivo?
 

A endoscopia pode ser utilizada para parar o sangramento do trato digestivo. O médico pode inserir acessórios através do endoscópio para:

  • injetar produtos químicos no local de sangramento
  • tratar o local da hemorragia e o tecido vizinho com uma sonda de calor, de corrente elétrica ou laser
  • fechar os vasos sanguíneos responsáveis pela hemorragia com uma banda ou clip


A endoscopia nem sempre controla a hemorragia. Nestes casos a angiografia pode ser utilizada para injetar um medicamento ou outro material em vasos sanguíneos para controlar alguns tipos de sangramento. Se a endoscopia e angiografia não funcionam, o paciente pode necessitar de outros tratamentos ou mesmo de cirurgia para parar o sangramento.

Para evitar uma hemorragia no futuro, os médicos podem tratar as condições que causam sangramento, tais como:

  • H. pylori e outras infecções
  • DRGE
  • úlceras
  • hemorróidas
  • pólipos
  • doenças inflamatórias intestinais
     

Pontos para lembrar
 

  • A hemorragia no trato digestivo é um sintoma de uma doença, ao invés de uma doença em si.
  • Uma série de condições diferentes pode causar sangramento do trato digestivo. 
  • Encontrar a localização e a causa do sangramento é importante.
  • A maioria das causas de sangramento podem ser curadas ou controladas.
  • A endoscopia é a ferramenta mais importante para diagnosticar e tratar a hemorragia no trato digestivo.
     

« Voltar