Doenças do aparelho digestivo

Constipação

O que é?
 

Constipação (obstipação, intestino "preso" ou "ressecado") refere-se a uma condição em que a freqüência de evacuações é baixa, com fezes freqüentemente endurecidas e secas.

Isto geralmente decorre de absorção excessiva de água a partir das fezes, em virtude da passagem lenta do bolo fecal pelo cólon. Qualquer alteração ou desvio da rotina normal pode resultar em alteração do hábito intestinal.

Certos medicamentos, incluindo ferro, analgésicos opiáceos, alguns anti-hipertensivos e muitos outros podem produzir constipação.

Muitas pessoas na verdade acham que tem constipação quando na verdade o ritmo intestinal é normal. Por exemplo, acham que é necessário evacuar todos os dias, e caso isto não ocorra procuram ajuda médica ou automedicam-se.

Considera-se ritmo intestinal normal, as evacuações numa freqüência de três vezes por semana até três vezes por dia. Além disto existem pessoas que por natureza apresentam as fezes mais endurecidas, sem com isto caracterizar constipação.

Por vezes, todos nós apresentamos curtos períodos de constipação, seja por causa da dieta pobre ou sedentarismo (ausência de exercício).

A maioria das pessoas constipadas são mulheres e com idade acima dos 50 anos. A gravidez pode favorecer a constipação, um problema comum após o parto e cirurgias .

Existem outros sintomas?
 

As pessoas com constipação freqüentemente reclamam de empachamento. Elas também podem notar pressão retal ou desconforto. "Gases", distensão abdominal e a sensação de evacuação incompleta também são queixas freqüentes.

O que mais eu devo saber sobre constipação?
 

Um erro comum é ingerir grandes quantidades de fibras quando o corpo não está acostumado a isto. Neste caso, alguns defeitos colaterais (principalmente "gases") podem aparecer e desencorajá-lo no tratamento.

Evite laxativos estimulantes (óleo mineral, bisacodil, etc). Um supositório ou um enema (medicação administrada via retal) são melhores se a constipação se tornar acentuada. Lembre que a constipação é um efeito colateral de vários medicamentos comumente utilizados, e isto pode ser revisto com seu médico.

Estas medidas simples geralmente trazem um resultado satisfatório. Trate bem seu aparelho digestivo, e ele será legal com você.

O que causa a constipação?
 

Para entender constipação, é fundamental conhecer como o cólon (intestino grosso) trabalha. Ao chegar no início do cólon, as fezes apresentam-se como uma pasta líquida (conteúdo de 90% água).

Com os movimentos da parede muscular do intestino (peristalse), esta pasta é compactada, e principalmente, a água é absorvida. São os movimentos peristálticos que empurram as fezes em direção da saída (reto).

Fezes endurecidas e secas típicas da constipação ocorrem quando a peristalse está muito lenta e o intestino absorve muita água.

Causas comuns de constipação:

  • Baixa ingesta de fibra.
  • Baixa ingesta de água.
  • Sedentarismo.
  • Medicamentos.
  • Síndrome do Intestino irritável.
  • Mudanças no estilo de vida, viagem, idade.
  • Gravidez.
  • Uso abusivo de laxantes.
  • Não respeitar o reflexo (vontade) de evacuar.
  • Acidente vascular cerebral.
  • AVC (derrame cerebral)
  • Problemas do cólon e reto.
  • Baixa ingestão de fibra.
     

A causa mais comum de constipação é a baixa ingesta de alimentos com fibras e o grande consumo de gorduras.
As fibras, tanto solúveis como insolúveis, fazem parte das frutas, vegetais e cereais. Elas não são digeridas e também não são absorvidas pelo intestino delgado (órgão especializado na absorção dos nutrientes).

As fibras solúveis dissolvem na água tornando-se macia e pastosa. Já as insolúveis passam através do intestino sem alterar muito sua forma. Além disto, a fibra tem a capacidade de reter água, fazendo com que o bolo fecal tenha aspecto macio e volumoso. Isto ajuda a prevenir que as fezes tornem-se duras e secas, facilitando seu transporte.

Baixa ingestão de líquido
 

Líquidos adicionam água ao intestino e incrementam o bolo fecal, tornando os movimentos peristálticos mais fáceis e eficientes. Já bebidas contendo cafeína e álcool apresentam efeito desidratante.

Sedentarismo
 

Ausência de atividade física favorece a constipação, embora não se saiba especificamente por quê. Por exemplo, é muito comum a constipação em pessoas que ficam acamadas por longo tempo e não podem se exercitar.

Medicações

 

Alguns medicamentos podem causar constipação:

  • Analgésicos (especialmente narcótico).
  • Antiácidos a base de alumínio e cálcio.
  • Antihipertensivos (bloqueadores do canal de cálcio).
  • Medicamento para o Mal de Parkinson.
  • Antiespasmódicos.
  • Antidepressivos.
  • Suplementos de ferro.
  • Diuréticos.
  • Anticonvulsivantes.
     

Síndrome do Intestino Irritável (SII)
 

Pessoas com a SII, tem dificuldade na evacuação devido a episódios de espasmo do intestino que acaba atrapalhando o movimento de propulsão das fezes. Alteração entre diarréia e constipação, distenção abdominal, flatulência também são outros sintomas.

Embora os sintomas possam atrapalhar a qualidade de vida, jamais evoluem para alguma doença que ponha em risco a vida. Geralmente piora com o período de estress, ansiedade, entretanto não há nenhuma alteração encontrada em exames de sangue, fezes, exames de imagem, colonoscopia ou mesmo biópsia.

Alteração na rotina de vida
 

Durante o período de gravidez, a mulher pode tornar-se constipada devido a alterações hormonais e pela compressão do útero aumentado de tamanho sobre o intestino grosso.

Idade avançada também afeta a regularidade do cólon pois geralmente cursa com diminuição do metabolismo e com isto diminuição da atividade do cólon e tônus muscular.

Além disto, pessoas frequentemente têm dificuldade na evacuação ao viajar em virtude da mudança de rotina, horário e alimentação.

Uso abusivo de laxantes
 

Mitos sobre constipação levam ao uso abusivo de laxantes. Isto é frequente em pessoas que têm a preocupação do dever de evacuar diariamente.

Laxativos não são de maneira geral necessários e podem acabar por tornar-se um hábito. O intestino grosso acaba por depender do uso de laxantes para ter seus movimentos peristáticos.

Com o tempo, os laxantes podem danificar as células nervosas da parede intestinal responsáveis pela coordenação dos movimentos, interferindo com a capacidade normal de contração do cólon (peristalse).

Da mesma maneira, o uso constante de enemas pode levar a perda da função normal do cólon.
Ignorar o reflexo (vontade) de evacuar

Pessoas que ignoram a vontade de evacuar podem eventualmente parar de sentir este reflexo, tornando-se constipada. Alguns têm dificuldade de evacuar em banheiros fora de casa, outros não vão ao banheiro por que estão ocupados ou por estress emocional. Tudo isto acaba por atrapalhar o hábito intestinal regular.

Doenças específicas
 

Doenças que causam constipação incluem alterações neurológicas, metabólicas e endócrinas e outras doenças sistêmicas que acabam por alterar o funcionamento global do organismo. Estas alterações diminuem a movimentação das fezes através do cólon, reto e ânus.

Segue a relação destas alterações:

  • Alterações neurológicas
  • Esclerose múltipla
  • Doença de Parkinson
  • Pseudo - obstrução intestinal idiopática
  • Acidente vascular cerebral (derrame cerebral)
  • Esclerose múltipla
  • Lesões na medula espinhal
  • Alterações metabólicas e endócrinas
  • Diabetes
  • Doenças da tireóide (Hiper ou hipotireoidismo)
  • Uremia (mau funcionamento dos rins)
  • Hipercalcemia (excesso de cálcio)
  • Alterações sistêmicas
  • Amiloidose
  • Lúpus eritematoso sistêmico
  • Esclerodermia
  • Problemas com o cólon e o reto
     

Obstrução intestinal, aderência, diverticulose, tumores, estenose coloretal (estreitamento do intestino) e doença de Hirschsprung.

Problemas com a função intestinal (Constipação intestinal crônica idiopática)

Algumas pessoas têm constipação intestinal que não responde ao tratamento convencional. Esta condição rara, conhecida como constipação idiopática (origem desconhecida) pode estar relacionada com problemas na função intestinal (movimentos) decorrente da desregulação hormonal ou com o sistema de nervos e músculos responsáveis por toda função motora do órgão. Esta constipação dita funcional atinge todas as idades, sendo mais freqüente nas mulheres.

Inércia colônica e trânsito intestinal lento (retardado) são dois tipos de constipação funcional causados pela diminuição da atividade muscular. Estas alterações podem afetar todo o intestino grosso ou apenas sua parte final (cólon sigmóide).

Os quadros de constipação funcional decorrente de alterações ao nível de reto e ânus são conhecidas por alterações anoretais ou anismus. Estas alterações tendem ao não relaxamento da musculatura anoretal, responsáveis pela permissão da passagem das fezes nas evacuações.

Quando devo ir ao médico?
 

A consulta deve ser considerada quando ocorre qualquer mudança sustentada no hábito intestinal. Outros sintomas que indicam uma consulta sao: perda de peso, dor abdominal severa ou sangramento retal. Estes sintomas podem estar sinalizando algum problema mais sério.

Muitas doenças comuns de nosso sistema endócrino também podem levar à mudança no ritmo intestinal (diabetes e problemas na tireóide, por exemplo).

« Voltar