Doenças do aparelho digestivo

Colelitíase

O que é?
 

Colelitíase é o termo médico que significa a presença de cálculos na vesícula biliar (as chamadas "pedras na vesícula"). Os cálculos biliares se formam quando o líquido armazenado na vesícula biliar se cristaliza em um material semelhante a uma pequena pedra.

A bile contém água, colesterol, gordura, sais biliares, proteínas e bilirrubina. Os sais biliares desmancham as gorduras, e a bilirrubina confere às fezes sua coloração característica. Se o líquido biliar contiver muito colesterol ou bilirrubina, sob algumas condições ele pode se solidificar formando os cálculos.

Os dois tipos de cálculos biliares são os cálculos de colesterol e os pigmentares. Os de colesterol são geralmente amarelo-esverdeados e são formados basicamente de colesterol cristalizado. Compreendem cerca de 80% dos cálculos. Os cálculos pigmentares são pequenos e escurecidos, compostos por bilirrubina.

Os cálculos podem ser pequenos como um grão de areia até grandes como uma bola de golfe. Na vesícula podem se desenvolver apenas um grande cálculo, centenas de cálculos pequenos, ou qualquer combinação destes.

O diagnóstico do problema pode ser feito através de exames de imagem, mais frequentemente o ultrassom.

Fatores de Risco
 

  • Sexo feminino 
  • Idade acima de 60 anos
  • Obesidade
  • Gestações
  • Dieta rica em gorduras / colesterol e pobre em fibras
  • Pessoas com histórico familiar de pedras na vesícula
  • Diabetes
  • Perda rápida de peso


Que sintomas estão associados à colelitíase?


Os sintomas decorrentes dos cálculos biliares são freqüentemente chamados de "crise" de cólica biliar pois ocorrem subitamente. Decorrem habitualmente da obstrução transitória do canal de saída da vesícula (o ducto cístico) por um cálculo. Um ataque típico pode causar:

  • Dor persistente no abdome superior (geralmente do meio para a direita) que aumenta rapidamente de intensidade e dura de 30 minutos a várias horas
  • Dor nas costas, entre as escápulas
  • Dor no ombro direito
  • Náuseas e vômitos

Os ataques freqüentemente se seguem a refeições gordurosas, e podem ocorrer à noite.

Muitas pessoas com cálculos biliares não têm sintomas. São os chamados "cálculos silenciosos". Eles não interferem no funcionamento da vesícula, fígado ou pâncreas. O médico decidirá se há necessidade de tratamento nestes casos - na maioria das vezes, o tratamento é desnecessário.

Possíveis complicações
 

Numa minoria dos casos, os cálculos podem obstruir o fluxo normal de bile se eles se alojarem em qualquer dos ductos que levam a bile do fígado ao duodeno. Isto inclui os ductos hepáticos, que trazem a bile do fígado; o ducto cístico, que leva bile à vesícula e pelo qual ela se esvazia; e o ducto biliar comum (ou colédoco), que leva a bile ao duodeno.

A obstrução destes ductos pode levar a inflamação de diferentes partes do sistema biliar. O ducto pancreático se une ao colédoco próximo ao duodeno, onde eles desembocam num orifício comum - a papila. Se o cálculo bloquear a saída do ducto pancreático, as enzimas pancreáticas ficam "aprisionadas" no pâncreas, causando uma doença potencialmente grave chamada pancreatite aguda.

Se qualquer destes ductos persistir bloqueado por um período significante de tempo, pode ocorrer a infecção das estruturas do sistema biliar - o que pode ser grave e até mesmo fatal. Sinais de alarme de problemas sérios são febre, icterícia e dor persistente.


Como é o tratamento?


Cálculos assintomáticos ("silenciosos") não requerem tratamento habitualmente. Para pessoas com doença sintomática, há dois métodos cirúrgicos para remoção da vesícula e seus cálculos, sob anestesia geral:

  • Colecistectomia aberta: é o tratamento cirúrgico clássico. Este procedimento requer uma incisão no abdome. O paciente permanece no hospital por cinco a sete dias em recuperação.

  • Colecistectomia videolaparoscópica: é o tratamento cirúrgico atual, em que a vesícula é removida através de uma pequena incisão abdominal usando um tubo com iluminação. O cirurgião vê o procedimento inteiro através de um monitor de televisão. Como não há cortes grandes através da musculatura da parede abdominal, o período de recuperação é consideravelmente menor.

Quando há cálculos nas vias biliares, o tratamento pode incluir a endoscopia, através de um procedimento chamado Colangiopancreatografia Endoscópica Retrógrada. 

As pessoas não precisam de suas vesículas?


Felizmente, a vesícula não é um órgão vital. Perdê-la não irá requerer nem uma mudança na dieta. Uma vez que a vesícula é retirada, a bile flui diretamente do fígado ao duodeno pelos ductos biliares, ao invés de ficar armazenada na vesícula.

Entretanto, como não há o armazenamento, ela flui com maior freqüência ao intestino e sem sincronia com a passagem de alimentos, causando diarréia em alguns casos.
 

« Voltar